Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Chicago e Londres

Polos tecnológicos estão na lista das cidades mais dinâmicas

O índice City Momentum 2015, desenvolvido pela JLL, analisa fatores socioeconômicos e imobiliários das principais cidades globais


​A consultoria imobiliária JLL (NYSE:JLL) divulga hoje no Fórum Econômico Mundial a segunda edição de sua pesquisa anual City Momentum Index, que traz uma nova visão sobre os fatores que tornam as cidades mais dinâmicas e atrativas para futuras oportunidades de negócios. Londres, San Jose (Califórnia), Beijing, Shenzen e Xangai lideram a lista de 2015, e seis novas cidades ficaram entre as Top 20 este ano: Ho Chi MIn (6º), Sydney (11º), Dublin (14 º), Nairóbi (15 º), Melbourne (16 º) e Nanjing (20º).


A lista elaborada pela JLL vai além dos tradicionais rankings estatísticos econômicos e analisa os múltiplos fatores que tornam as cidades competitivas e dinâmicas, além de identificar sinais de mudanças que impactarão seu futuro. 


Jeremy Kelly, diretor global da pesquisa da JLL, explica os diferentes fatores analisados pela JLL para elaborar a lista: "enquanto os rankings tradicionais de performance imobiliária mostram os mercados com maior atividade de investimentos e de ocupação corporativa, a lista elaborada pela JLL identifica as cidades globais que estão mudando mais rapidamente. Analisamos com mais detalhes a combinação da dinâmica imobiliária: cruzamos investimentos, preços de propriedades e construções com fatores socioeconômicos e assim podemos entender melhor os propulsores do sucesso das cidades, analisando os sinais de mudanças ao longo dos anos". Para Kelly, o forte dinamismo traz oportunidades, mas também riscos para as cidades.

O índice City Momentum 2015 ressalta o sucesso e o atual ritmo de mudança das cidades, mas não garante o desempenho futuro do mercado imobiliário comercial ou identifica os melhores mercados para investimentos. "Observamos que a indústria de tecnologia tem impulsionado o mercado imobiliário nos últimos anos, mas outras tendências, que vão de fatores ambientais à educação, impactam o ritmo de mudança, resultando em alterações de posição das cidades no ranking", explica Kelly.

 

A lista das Top 20 revela as principais tendências e mudanças que estimulam o impulso global:

  • Cidades tecnológicas dominam a lista. Muitas das cidades mais tecnológicas mantiveram suas posições entre as Top 20, incluindo Londres (1º), San Jose (2 º), Boston (7 º) e São Francisco (9 º). As cidades que entraram para a lista das Top 20 este ano graças ao setor de tecnologia incluem Sydney (11 º), Bangalore (12 º), Dublin (14 º), Nairóbi (15 º) e Melbourne (16 º).

 

  • Cidades chinesas permanecem ativas apesar do menor ritmo econômico. A queda no ritmo do desempenho econômico da China não impediu que sete de suas cidades aparecessem entre as Top 20 globais, graças à contínua expansão de seus mercados internos e da classe média. Comércio e conectividade provaram ser fatores críticos para as cidades chinesas, demonstrados no "corredor da dinâmica" ao longo do rio Yangtze, que liga Xangai (5º), Wuhan (8 º), Chongqing (10 º) e Nanjing (20 º). Como a China tem ascendido na cadeia de valor, o setor de tecnologia tornou-se um importante fator de sucesso das cidades, ajudando a alavancar cidades como Pequim (3 º) e Shenzhen (4 º).

     
  • Londres e Dublin superam a Europa continental. Embora as cidades da Europa continental tenham mais uma vez ficado fora da lista das cidades mais dinâmicas, Londres liderou a lista de 2015 e Dublin ficou no 14º lugar. Os fortes fundamentos econômicos de Londres, os investimentos internacionais, perspectivas positivas e reputação como um centro global de tecnologia garantiram a primeira posição. Dublin é atualmente o mercado de locação de escritório com o ritmo de crescimento mais rápido do mundo.

 

Enquanto seis novas cidades entraram na lista da JLL em 2015, centros criativos e de tecnologia já estabelecidos, como Austin, Los Angeles e Seattle, ficaram de fora das Top 20. Hong Kong e Tóquio também não aparecem no ranking, devido a uma perda temporária de impulso, mesmo se mantendo com ótimas perspectivas de longo prazo. Pela primeira vez, cidades da Índia e da África Subsaariana apareceram na lista, devido à forte demanda de escritórios por empresas de tecnologia: Bangalore (12º) e Nairóbi (15 º).

O Índice City Momentum (City Momentum Index), relatório mais baixado do City Research Center da JLL, avalia 120 cidades, ponderando 37 variáveis de curto e longo prazos:

Variáveis socioeconômicas de curto prazo (40% do total) incluem a evolução recente e projetada do PIB e da população, o tráfego aéreo de passageiros, a presença de sedes corporativas e os recentes níveis de investimentos estrangeiros diretos proporcionalmente à economia da cidade.

Variáveis imobiliárias de curto prazo (30% do total) incluem variações percentuais recentes e previstas na absorção líquida, construção e valores de locação de escritórios, construção de shopping centers e aluguéis de imóveis de varejo, volumes de investimentos imobiliários diretos e nível de transparência do mercado.

Variáveis de longo prazo (30%) que podem determinar a força econômica futura e o impulso do mercado imobiliário, incluem indicadores de incubadoras de alto valor, como a presença de universidades e infraestrutura educacional, capacidade de inovação, pedidos de patentes internacionais e presença de empresas de tecnologia e capital de risco.

JLL no WEF A consultoria imobiliária JLL participa do Fórum Econômico Mundial pelo sétimo ano consecutivo. O evento anual reúne chefes de Estado, líderes empresariais, acadêmicos e Governos para discutir grandes questões globais.

A JLL é parte do grupo de apenas 100 empresas parceiras estratégicas do Fórum Econômico Mundial e apresentará esta semana pesquisas sobre a importância do setor imobiliário na dinâmica das cidades.

O site e o blog da JLL sobre o WEF já estão no ar. O site inclui links para os press releases e notícias atualizadas. E no blog Notes from Davos, os oito executivos da JLL que estão no WEF compartilharão diariamente suas impressões sobre as sessões e as principais discussões abordadas durante o evento.