Interação social nos escritórios faz falta na rotina dos funcionários, aponta estudo

Colaboradores gostariam de maior separação entre vida pessoal e profissional.

22 de Julho de 2020

A pandemia de COVID-19 mudou drasticamente a rotina dos escritórios e levou grande parte dos funcionários para o sistema remoto. Assim, o futuro dos espaços corporativos entrou em análise, em especial para ocupantes de grandes lajes. Acompanhando essa tendência, a JLL realizou um estudo global junto a seus clientes para entender sobre o futuro da demanda por escritórios. Segundo a pesquisa, os escritórios não vão acabar, mas devem passar por mudanças de função e propósito.

O estudo mostra que, sob a ótica dos colaboradores, o escritório fornece um local de interação que a tecnologia não é capaz de replicar, como a conexão pessoal, colaboração e gerenciamento de talentos. Mesmo com o sucesso da experiência de trabalhar em home office, a maioria dos funcionários declara que gostaria de estar fisicamente nos escritórios a maior parte da semana.

O que os funcionários mais sentem falta no escritório? 

O espaço do escritório ainda tem um papel fundamental a desempenhar na facilitação de atividades presenciais essenciais que não são fáceis de serem replicadas online. Integração de novos funcionários, treinamento e orientação são primordiais para a progressão na carreira e manutenção de uma força de trabalho produtiva. Além disso, o escritório oferece um espaço para as pessoas se reunirem, colaborarem, inovarem e se engajarem com o crescimento dos negócios. Para alguns, o escritório é um local de concentração, permitindo uma distinção mais clara entre a vida doméstica e os afazeres corporativos.

A especialista em Workplace & Change Management da JLL, Roberta Hodara, avalia que os gestores e suas equipes devem ser responsáveis pela divisão de tempo em o trabalho remoto e no escritório de cada time. “O RH tem agora um papel muito ativo em estruturar a política de home office para que os líderes consigam definir junto aos seus colaboradores quem precisa estar presencialmente no escritório, quando e porquê”, explica.

Espaços em evolução

Do ponto de vista das empresas, os escritórios oferecem o espaço físico que facilita a coordenação de atividades e o aumento da criatividade. Também desempenham papel fundamental na transmissão a cultura organizacional e atraem e retém talentos. O estudo aponta que a tendência é que os espaços continuem evoluindo, da mesma forma que as baias famosas nos anos 1990 foram abandonadas e, até a pandemia, vivíamos o momento do compartilhamento de mesas e espaços.

Os quatro fatores principais apontados pelo levantamento da JLL que terão impacto a curto prazo da demanda por escritórios são:

1. Home Office – A adoção abrupta do trabalho remoto evidenciou alguns dos benefícios do home office, como o horário flexível e não ser preciso deslocar-se. Contudo, para muitas pessoas, o espaço destinado ao trabalho em casa mostrou-se inadequado – pequeno, sem estrutura ou repleto de distrações. Além disso, perdeu-se a interação social proporcionada pelo escritório. A longo prazo, ainda não está claro como será a produtividade fora do espaço do escritório. A flexibilidade será a chave para a satisfação do funcionário, mantendo equilíbrio entre o trabalho no escritório e a possibilidade de trabalhar de qualquer lugar. 

2. Design do Escritório – A mudança mais evidente no layout dos escritórios diz respeito à densidade do espaço. Se antes a tendência era ascendente, agora o distanciamento social será a regra. Caso uma vacina ou remédio sejam descobertos, é possível que o adensamento volte a crescer, contudo, saúde e bem-estar permanecerão entre as principais preocupações dos ocupantes. 

3. Tecnologia – A curto prazo, a adoção de novas tecnologias já está facilitando a adoção do trabalho remoto, bem como o retorno à garantia de bem-estar e saúde dos funcionários na volta aos escritórios. A longo prazo, acredita-se que os ocupantes demandarão cada vez mais edifícios inteligentes, refletindo também a preocupação das companhias com o meio ambiente e a sustentabilidade. Assim, é provável que a demanda por ativos de qualidade inferior caia no futuro. 

4. Padrões de Deslocamento – A ausência de deslocamento é citada como a maior vantagem do trabalho remoto e um dos temas que causam maior preocupação quanto ao retorno aos escritórios – especialmente em cidades grandes, que dependem do transporte público. Ao longo do tempo, a localização centralizada dos escritórios ainda deve ser priorizada, facilitando o acesso dos colaboradores, com o oferecimento de serviços de transporte influenciando o preço e a demanda. 

Segundo a pesquisa, os escritórios podem mudar suas configurações para atender a novos propósitos, mas continuarão sendo um espaço de conexão interpessoal importante tanto para as empresas quanto para os funcionários. Para Roberta Hodara, mesmo que as regras de distanciamento social sejam afrouxadas no futuro e o adensamento volte a crescer, o escritório ainda deve permanecer como um espaço de socialização. “As atividades que podem ser realizadas individualmente continuarão a ser resolvidas no tempo de home office, enquanto o escritório vai privilegiar as interações e o trabalho em equipe”, revela.

Leia o relatório “O futuro da demanda global por escritórios” aqui.


Sobre a JLL

A JLL (NYSE: JLL) é líder na prestação de serviços imobiliários e em gestão de investimentos. Moldamos o futuro do mercado imobiliário por um mundo melhor, usando as mais avançadas tecnologias para criar oportunidades recompensadoras, espaços incríveis e soluções sustentáveis para nossos clientes, nossas pessoas e todos que nos cercam. A JLL é uma empresa Fortune 500, com receita anual de US$ 18 bilhões em 2019, operações em mais de 80 países e uma força de trabalho de aproximadamente 93 mil pessoas em todo o mundo (em 30 de junho de 2020). JLL é marca registrada da Jones Lang LaSalle Incorporated. No Brasil desde 1996, a JLL tem sede em São Paulo e escritório regional no Rio de Janeiro, contando com uma equipe de cerca de 900 profissionais prontos para atuar em todo o País. Nosso portfólio de serviços no Brasil oferece: Locação | Aquisição e Vendas | Consultoria e Avaliação | Gerenciamento de Propriedades | Gerenciamento de Facilities | Engenharia e Manutenção Predial | Projetos e Obras | Design & Build. Setores de atuação: Escritório | Industrial | Varejo | Hotel | Healthcare | Educação | Data Center | Life Sciences. Para mais informações, visite o site da JLL Brasil,  jll.com.br